(Prince of Persia: The Sands of Time, EUA, 2010)

Aventura
Direção: Mike Newell
Elenco: Jake Gyllenhaal, Gemma Arterton, Ben Kingsley, Alfred Molina, Steve Toussaint, Toby Kebbell, Richard Coyle, Gísli Örn Garðarsson
Roteiro: Jordan Mechner (jogo), Boaz Yakin, Doug Miro, Carlo Bernardi
Duração: 116 min.
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆
Entre tantas adaptações que invadem o cinema estadunidense, uma linha que tem ganhado força é a de filmes baseados em videogames. Ainda que existam projetos malucos de adaptações de jogos de objetivos imediatos, como Pac Man, os favoritos para as versões são aqueles que tem uma história completa, com personagens e motivações bem definidas. É o caso de Príncipe da Pérsia – As Areias do Tempo.

O filme conta a história de Dastan, garoto pobre que foi adotado pelo rei da Pérsia e criado como seu filho. Ele e seus irmãos invadem a Cidade Sagrada de Alamut, incitados por falsas acusações de tráfico de armas a exércitos inimigos.

Lá Dastan conhece a bela Tamina e descobre uma adaga mágica, capaz de controlar as areias do tempo. Ele não pode deixar que a arma caia em mãos erradas e sabe que esta pode ser a única maneira de provar que não teve nada a ver com a misteriosa morte de seu pai.

O visual do filme, em grande parte rodado em Marrocos, é impressionante e os efeitos especiais são de primeira qualidade.

Como em qualquer bom filme de aventura, temos ação na medida certa, muitas batalhas e perseguições, uma pitada de romance e algumas tiradas cômicas, a cargo do sempre excelente Alfred Molina.

Ainda que seu porte físico tenha sido fundamental na escolha para o papel, Jake Gyllenhaal está bem e entrega um personagem que está longe de parecer ridículo, como é comum em adaptações do gênero. Outra que está presente pela beleza estonteante é Gemma Artenton, mas bem menos convincente.

No final das contas, apesar de algumas passagens chatinhas e atuações secundárias fracas, o resultado satisfaz aqueles que estavam interessados em se divertir. Claro que os mais fanáticos pelo jogo podem ficar indignados com as muitas diferenças entre os dois roteiros, assim como aqueles que entram na sala esperando alguma substância.

Para ver comendo pipoca e sem ter nada mais na cabeça.

Um Grande Momento

Tentando recuperar a adaga, no final.

Links
Site oficialNo IMDb