Foram anunciados na noite de hoje (24) os vencedores do Prêmio Platino de Cinema Iberoamericano. Neste ano, a cerimônia de premiação aconteceu em Punta Del Este, no Uruguai. O grande vencedor da noite foi o longa O Abraço da Serpente, que levou o prêmio de melhor filme, direção e foi o grande destaque nas categorias técnicas, levando os prêmios de montagem, direção de fotografia, som, direção de arte e música original.

O Platino é o primeiro prêmio cinematográfico que engloba toda a produção de cinema iberoamericana. Hoje, são 23 os países participantes. Nesta edição, a participação brasileira nas principais categorias se restringiu a coprodução com a Argentina Paulina, vencedor na categorias melhor atriz e indicado a de melhor som. O único representante de língua portuguesa na lista final de indicados foi o filme português As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado.

O longa-metragem Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert, foi lembrado e levou para casa o Platino Cinema e Educação em Valores.

A próxima edição da premiação acontece em Madri, na Espanha.

Confira abaixo a lista de vencedores:

Melhor filme de ficção
O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
O Clã (Argentina/Espanha)
O Clube (Chile)
Ixcanul (Guatemala)
Truman (Argentina/Espanha)

Melhor direção
Ciro Guerra, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
Alonso Ruiz Palacios, por Güeros (México)
Cesc Gay, por Truman (Argentina/Espanha)
Pablo Larraín, por O Clube (Chile)
Pablo Trapero, por O Clã (Argentina/Espanha)

Melhor Roteiro
Pablo Larraín, Guillermo Calderón e Daniel Villalobos, por O Clube (Chile)

Outros indicados
Cesc Gay e Tomás Aragay, por Truman (Argentina/Espanha)
Ciro Guerra e Jacques Toulemonde, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)
Jayro Bustamante, por Ixcanul (Guatemala)
Salvador del Solar, por Magallanes (Peru/Colômbia/ArgentinaäEspanha)

Melhor atriz
Dolores Fonzi, por Paulina (Argentina/Brasil)

Outros indicados
Antonia Zegers, por O Clube (Chile)
Elena Anaya, por A Memória da Água (Chile/Argentina/Espanha)
Inma Cuesta, por A Noiva (Espanha)
Penelope Cruz, por Ma Ma (Espanha)

Melhor ator
Guillermo Francella, por O Clã (Argentina/Espanha)

Outros indicados
Alfredo Castro, por O Clube (Chile)
Damián Alcázar, por Magallanes (Peru/Colombia/Argentina/Espanha)
Javier Cámara, por Truman (Espanha/Argentina)
Ricardo Darín, por Truman (Espanha/Argentina)

Melhor animação
Atrapa la bandera (Espanha)

Outros indicados
Don Gato 2: El inicio de la pandilla (México)
El americano (México)
El secreto de Amila (Argentina/Espanha)
Un gallo con muchos huevos (México)

Melhor documentário
O Botão de Pérola (Chile/Espanha)

Outros indicados
Allende, Meu Avô Allende (Chile/México)
Chicas nuevas 24 horas (Espanha/Argentina/Paraguai/Colômbia/Peru)
La once (Chile)
The Propaganda Game (Espanha)

Melhor primeiro filme de ficção (Prêmio Platino Camilo Vives)
Ixcanul (Guatemala)

Outros indicados
600 Milhas (México)
El desconocido (Espanha)
El patrón: Radiografia de un crimen (Argentina/Venezuela)
Magallanes (Peru/Colômbia/Argentina/Espanha)

Melhor montagem
Etienne Boussac e Cristina Gallego, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
César Díaz, por Ixcanul (Guatemala)
Eric Williams, por Magallanes (Peru/Colômbia/Argentina/Espanha)
Jorge Coíra, por El desconocido (Espanha)
Pablo Trapero e Alejandro Carrillo Penovi, por O Clã (Argentina/Espanha)

Melhor direção de arte
Angélica Perea, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
Bruno Duarte e Artur Pinheiro, por As Mil e Uma Noites: Volume 2, o Desolado (Portugal)
Jesús Bosqued Maté e Pilar Quintana, por La novia (Espanha)
Pilar Peredo, por Ixcanul (Guatemala)
Sebastián Orgambide, por O Clã (Argentina/Espanha)

Melhor direção de fotografia
David Gallego, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
Arnaldo Rodríguez, por A Memória da Água (Chile/Argentina/Espanha)
Luis Armando Arteaga, por Ixcanul (Guatemala)
Miguel Ángel Amoedo, por La novia (Espanha)
Sergio Armstrong, por O Clube (Chile)

Melhor música original
Nascuy Linares, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
Alberto Iglesias, por Ma Ma (Espanha)
Federico Jusid, por Magallanes (Peru/Colombia/Argentina/Espanha)
Lucas Vidal, por Nada quiere la noche (Espanha)
Pascual Reyes, por Ixcanul (Guatemala)

Melhor direção de som
Carlos García e Marco Salaverría, por O Abraço da Serpente (Colômbia/Venezuela/Argentina)

Outros indicados
David Machado, Jaime Fernández e Nacho Arenas, por El desconocido (Espanha)
Eduardo Cáceres e Julien Cloquet, por Ixcanul (Guatemala)
Federico Esquerdo, Santiago Fumagalli e Edson Secco, por Paulina (Argentina/Brasil)
Vicente D’Elía e Leandro Loredo, por O Clã (Argentina/Espanha)