(Léon, FRA, 1994)

Ação

Direção: Luc Besson

Elenco: Jean Reno, Natalie Portman, Gary Oldman, Danny Aiello, Peter Appel

Roteiro: Luc Besson

Duração: 110 min.

Minha Nota: 8/10

Filmes de ação costumam espantar das salas todas as pessoas que não gostam muito do gênero. Para muitos, onde há tiroteio, não há roteiro. O Profissional é mais um dos filmes que veio para mostrar que estas pessoas não poderiam estar mais enganadas. Luc Besson sabe muito bem como misturar uma ação extremamente violenta a uma história de solidão e encontro.

Léon é um matador de aluguel que, quando não está treinando para assassinar alguém, está executando a ação. Ele é rápido, certeiro e muito sistemático em tudo que faz. Assim acaba se tornando o melhor profissional do mafioso italiano local.

Paralelamente, uma família é exterminada por um grupo de policias do departamento de entorpecentes, após a descoberta de que o patriarca está envolvido com o tráfico de drogas. Uma das filhas não estava em casa no momento e, ao ver a cena, vai pedir ajuda ao vizinho que é ninguém menos que Léon.

A partir de então, suas solidões se cruzam e eles começam a construir uma vida juntos.

O filme sabe como equilibrar muito bem cenas sangrentas e cenas singelas. Os atores principais estão excelentes. Reno demonstra ser tão sozinho e tão despreparado para conviver com qualquer pessoa, que chegamos mesmo a acreditar em cada segundo daquilo que assistimos. Natalie Portman, em seu primeiro papel de destaque, então com 13 anos, não se perde e já demonstra que seria uma grande atriz no futuro.

Os dois estão, na maioria do filme, em evidência. Fazendo cenas profundas e doloridas, ou divertidas e leves. Mas uma outra atuação chama a atenção. Gary Oldman é o chefe do departamento de entorpecentes e tem uma personalidade completamente perturbada e sádica. Mesmo aparecendo em poucos momentos, deixa a sua marca.

O roteiro consegue deixar os espectadores bem ansiosos e nunca cansa. Até aqueles que odeiam o gênero terminam de assistir satisfeitos pelo que viram, os que se recusaram a conhecer perderam uma grande obra de direção e interpretação.

Um filme que merece ser conhecido. Indicado para todos.

Um Grande Momento

O jogo de adivinhação, com as imitações de Portman.



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

César: Filme, Direção, Ator (Jean Reno), Fotografia (Thierry Arbogast), Edição (Sylvie Landra), Som (François Groult, Pierre Excoffier, Gérard Lamps, Bruno Tarrière), Música (Eric Serra)

Links