(Rachel Getting Married, EUA, 2008)

Que família é um negócio complicado, todo mundo já sabe. Problemas não exclusivos acontecem aqui e ali, muitas vezes geram outros maiores e seguem em um crescendo. E, mesmo que as pessoas tendam pensar que só sua família é assim, na verdade qualquer outra família pode passar por situações parecidas.

Kym está internada para tentar se curar do vício em drogas e vai passar o final de semana com a família para participar do casamento de sua irmã, Rachel. A tensão causada pela presença dela e os fantasmas do passado vem e vão sem parar e nós, convidados deste casamento, vemos tudo através da nossa própria câmera.

Filha do diretor Sidney Lumet (Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto), Jenny Lumet estréia muito bem uma história que mantém um ar de simplicidade mas está repleta de significados e nuances escondidos. Jonathan Demme (O Silêncio dos Inocentes) segue o mesmo princípio e nos inclui na festa e nesta família magoada. Não é a toa que o filme todo é rodado em digital e com a câmera na mão e essa filmagem amadora, de festa em casa, é fundamental.

Muitos outros detalhes deixam a festa mais parecida com tudo que conhecemos de perto. A trilha sonora é executada pelos músicos do casamento e a iluminação, mérito do excelente fotógrafo Declan Quinn (Café da Manhã em Plutão), está o mais natural possível. O som direto também é fundamental para criar o clima.

Os atores também estão excelentes e tão à vontade que parecem mesmo se conhecer há toda vida. Anne Hathaway (O Diabo Veste Prada) dá um show como a arrependida Kym, que vê na festa a oportunidade de se desculpar por todo mal que fez à família, e está muito bem acompanhada por Rosemarie DeWitt (A Luta pela Esperança), a noiva-irmã que quer, pela primeira vez na vida, as atenções só para ela e que tudo dê certo em seu grande dia. Outros nomes que chamam atenção são Bill Irwin (Across the Universe) como o esperançoso e preocupado pai e Debra Winger (Esqueça Paris) como a ausente mãe.

Um filme que vai conquistando o público a medida que evolui na tela e é duro e difícil como a maioria das produções que envolvem relações familiares. Ainda assim, merece ser visto. Talvez seja bom escolher um dia menos triste para assistir.

O conjunto da obra me lembrou muito dos filmes Cerimônia de Casamento, de Robert Altman, e Festa de Família, de Thomas Vinterberg.

Um Grande Momento

A conversa com a mãe.

Prêmios e indicações (as categorias premiadas estão em negrito)

Oscar
: Atriz (Anne Hathaway)
Globo de Ouro: Atriz (Anne Hathaway)
Festival de Veneza: Leão de Ouro

Links

Drama
Direção: Jonathan Demme
Elenco: Anne Hathaway, Bill Irwin, Anna Deavere Smith, Rosemarie DeWitt, Anisa George, Mather Zickel, Tunde Adebimpe, Debra Winger, Jerome Le Page
Roteiro: Jenny Lumet
Duração: 113 min.
Minha nota: 9/10