(Liverpool, ARG/FRA/HOL/ALE/ESP, 2008)

Drama

Direção: Lisandro Alonso

Elenco: Nieves Cabrera, Juan Fernandez, Giselle Irrazabal

Roteiro: Salvador Roselli, Lisandro Alonso

Duração: 84 min.

Minha nota: 6/10

Em um momento de informações rápidas, onde detalhes deixam de ser importantes e a urgência é uma qualidade, sempre é bom ver alguém que ousa e faz uso da estética detalhista, já tão em desuso.

Liverpool conta a história de um marinheiro alcóolatra que desembarca no Uchuaia para encontrar com a mãe, que já não vê há anos. Chegando em sua cidade, é mal recebido, descobre que sua mãe está muito doente e que tem uma filha deficiente.

A imagem é o mais importante do filme, deixando até os atores em segundo plano. As cenas são, sempre que possível, prolongadas e dão ao espectador uma sensação de estar diante de um fato que simplesmente está acontecendo, em seu tempo real.

Tanto a opção pelo visual, como o detalhismo têm um preço muito alto. O filme é tão lento que chega a cansar quem o assiste, que ao avistar um caminho de neve sabe que ele vai ficar por um bom tempo na tela, sem que ninguém passe por ele.

Mal comparando, o filme faz de O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford uma película de ação extrema.

Mas, por incrível que pareça, não é um filme ruim. Tem uma fotografia competente e um estilo tão em desuso que chega a ser original.

A história, mesmo que simples e sem reviravoltas ou grandes acontecimentos, é bonita. E a reação do público ao ver que só se trata de algo normal e não surpreendente é bem interessante.

Uma experiência bem curiosa.

Saber que o filme é lento antes do começo da sessão pode ajudar.

Próximas sessões no festival: 02/11, às 21h50; 05/11, às 19h30; 07/11, às 19h30; 08/11, às 17h30.

Um Grande Momento

A conversa com a mãe.



Links

Imdb

FIC Brasília 2008