(Irréversible, FRA, 2002)

Direção: Gaspar Noé

Elenco: Monica Bellucci, Vincent Cassel, Albert Dupontel, Jo Prestia, Philippe Nahon

Roteiro: Gaspar Noé

Duração: 97 min.

O filme que mais me causou mal estar da história. Foi exibido em uma das sessões de cineclube que a minha família organizava todos os meses. Por algum motivo, não estive presente no dia da exibição desse. Os comentários sobre o filme duraram meses e eu, já horrorizada por eles, preferi nem pegar o filme.

Minha mãe insistiu muito até me convencer, falando que o filme era tecnicamente perfeito e valia muito a pena. Peguei o filme e fui assistir com ela. Não consigo dizer quantas vezes eu fechei os olhos por não aguentar mais uma cena.

O filme é cinemão mesmo. Contado de trás pra frente, nos enfia dentro de uma história cheia de escolhas erradas e que acabam culminando em uma desgraça. A intenção do filme é justamente demonstrar a possibilidades das coisas depois que decisões, sejam elas banais ou não, são tomadas e a nossa incapacidade de mudar o resultado.

Uma mulher, ao sair de uma festa, onde deixa seu namorado e seu ex-namorado, resolve seguir um conselho e vai até uma passagem subterrânea para atravessar a rua. Neste local é estuprada e isto desencadeia uma seqüência de fatos insandecidos.

As cenas de violência parecem ser intermináveis e é impossível alguém assistir a isto sem se importar. O estômago chega a dar uma revirada.

Apesar de tudo isso, é um super filme. Desde a filmagem até a edição dá pra perceber que é uma obra de cineasta. Vale a pena por isso, mas é daqueles que a gente só consegue ver uma vez.

Um Grande Momento

A cena de estupro que dura a eternidade de 11 minutos.



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

Cannes: Palma de Ouro