(Histórias de Amor Duram Apenas 90 Minutos, BRA, 2009)

Depois de se firmar como roteirista com sucessos de público como Amores Possíveis e Pequeno Dicionário Amoroso, Paulo Halm resolve trazer sua experiência para trás das câmeras e lança seu primeiro longa-metragem.

Histórias de Amor Duram Apenas 90 Minutos conta a história de Zeca, um cara de 30 anos que não consegue fazer nada da vida. Com dinheiro fácil, fruto de uma herança deixada pela mãe; um livro incompleto, ainda que haja talento para terminá-lo bem, e uma bela mulher ao seu lado, ele recusa-se a amadurecer e gasta todo o tempo que tem queixando-se da vida, como se ela fosse injusta com ele e não o contrário.

Acontece que se ele está bem assim, o mesmo não pode ser dito das pessoas que o cercam. Seu pai não tem mais a mínima paciência com ele e sua mulher, Julia, já faz tempo que não o respeita. Tanto que não deixa de viver uma experiência romântica fora do casamento com outra mulher, a argentina Carol.

A história debochada do triângulo amoroso funciona bem com a moldura do Rio de Janeiro e com um jeito bem carioca de seus personagens, sempre presente por mais diferentes que eles sejam entre si.

O roteiro bem amarrado lembra outros de Halm, ainda que seja mais completo do que seus antecessores do mesmo gênero e consiga se aproveitar mais do sarcasmo e da ironia. Muito, claro, por causa do elenco escolhido que dá vida a personagens palpáveis e facilmente identificáveis pela vida afora.

Caio Blat consegue tornar charmoso o irritante Zeca, mesmo com todas as suas chatices e o desejo de dar uma surra de chinelo que causa. A Júlia de Maria Ribeiro, mulher do ator na vida real, não fica atrás e convence como a mulher independente que sabe bem onde quer chegar.

Quem se destaca também é Luz Cipriota, a belíssima atriz argentina que dá vida à fogosa e interessante Carol, e Daniel Dantas, excelente como o frustrado pai de Zeca.

Uma interessante trilha sonora e todas as cores da direção de arte de Renata Pinheiro e da fotografia de Nonato Estrela ajudam a atrair o público para dentro dessa história que, apesar de seus exageros e muita liberdade, fala de uma juventude apática. Como o protagonista, são vários os que, estacionados no mesmo lugar, esperam as coisas cair do céu como milagres e que gostam de perder tempo vestindo a couraça de vítima e sair reclamando de tudo o tempo todo.

Um filme leve, divertido e despreocupado que conquista sem muito esforço. Uma excelente pedida para aqueles que dizem que o cinema nacional fala sempre sobre o mesmo tema conhecerem um outro lado da produção brasileira.

Um Grande Momento

A primeira noite com Carol.

Comédia
Direção: Paulo Halm
Elenco: Caio Blat, Maria Ribeiro, Luz Cipriota, Daniel Dantas, Lucia Bronstein
Roteiro: Paulo Halm
Duração: 90 min.
Minha nota: 7/10