Claudio-assis-festbrasilia

Como já era esperado, Cláudio Assis foi alvo de protestos ao apresentar seu novo filme, Big Jato, no Cine Brasília durante o 48º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Vaias e gritos de “machista” eram ouvidos toda vez que o diretor tentava falar algo. A motivação do protesto aconteceu há algumas semanas, no Recife, quando Assis e Lírio Ferreira atrapalharam o debate sobre o filme Que Horas Ela Volta? com a diretora Anna Muylaert.

A repercussão do evento tomou conta das mídias sociais logo depois do ocorrido e gerou manifestações diversas, inclusive da própria Anna, amiga pessoal dos dois, que lamentou a situação mas pediu que ninguém fosse demonizado pelo ocorrido. Os dois diretores, que já se desculparam pela atitude machista, estão um ano afastados de qualquer atividade da Fundação Joaquim Nabuco, responsável pelos cinemas da Fundação e do Museu, no Recife.

“Machista!”

As vaias começaram quando o diretor subiu ao palco, mas a equipe parecia preparada pela situação e, ao ser chamada, acompanhou o ritmo da vaia com aplausos e com a saudação “viva a vaia”, gritada por Xico Sá. A situação amenizou quando o produtor Marcello Maia começou a fazer seus agradecimentos, mas as vaias foram retomadas quando Assis pegou o microfone. Sob gritos de “machista”, o diretor, transtornado, tentou sem muito sucesso se fazer ouvir e acabou socorrido pelo ator Matheus Nachtergaele, que acalmou os ânimos.

“Podemos vaiar nossos horrores e aplaudir nossas maravilhas”, afirmou o ator. O conselho foi seguido ao pé da letra pela plateia do cinema. Se a apresentação foi marcada por vaias, os aplausos tomaram conta do Cine Brasília após a sessão. Com algumas pessoas, inclusive, aplaudindo o filme de pé.

Nachtergaele saudou ainda o elenco juvenil do filme, que vive sua primeira experiência no cinema. Cláudio Assis ainda tentou falar novamente, mas foi abafado por novas vaias e gritos. Ele dedicou a sessão ao diretor brasiliense Vladimir Carvalho e a sua mãe.

Baseado no livro de Xico Sá, Big Jato conta a história de Francisco, um jovem que está descobrindo a vida. Muito mais acessível e polido do que outros da filmografia do diretor, o longa é um forte candidato a prêmios desta edição do festival.