O longa Febre do Rato, de Cláudio Assis foi escolhido pelo júri como o melhor filme na 3.ª edição do FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa. O júri, constituído por Alberto Rui Machado (Cabo Verde), Andrea Paola Costa Prado (Brasil), António Escudeiro (Portugal), José Carlos de Oliveira (Portugal) e Valdemar Dória (São Tomé), também agraciou os filmes brasileiros Trampolim do Forte, de João Rodrigo Mattos, e Amor?, de João Jardim, com menções honrosas. E Amanhã, do jovem realizador português Bruno Cativo, foi a longa-metragem escolhida pelo público.

Na competição de curtas, os filmes brasileiros Todos os Balões Vão para Céu, de Frederico Cabral, e Marcovaldo, de Cíntia Langie e Rafael Andreazza, foram escolhidos como os melhores. Os curtas moçambicana A Ponte, de Diana Manhiça, e Revolução nos Rabelados, do realizador cabo-verdiano Mário Benvindo Cabral, receberam menções-honrosas. A Fábrica, do realizador brasileiro Aly Muritiba, foi o preferido do público.

O FESTin tem como missão a difusão e o desenvolvimento do cinema nos países de língua portuguesa, valorizando as origens históricas e culturais de cada país. Além de incentivar a promoção e o estímulo das artes audio-visuais através do intercâmbio cultural.