(Deadgirl, EUA, 2008)

Quem costuma ler meus comentários sobre filmes de terror sabe que eu acho a produção estadunidense uma das mais fracas que existem. Pouco criativas e dependentes de derramamento de sangue, são poucas aquelas que conseguem chamar alguma atenção.

Claro que uma vez ou outra acontece alguma surpresa, mas o resultado, apesar de ter o seu valor, quase nunca alcança o nível dos filmes sombrios de outros países. Por isso, quando um filme como Deadgirl aparece, a gente tem que mandar parar tudo e prestar bastante atenção, afinal é raro algo bom e com significado por lá.

Dois amigos adolescentes invadem um hospício abandonado e descobrem o corpo preservado de uma garota em uma das salas do local. Embora pareça estar morta, ela ainda tem algumas reações.

A história é bizarra, mas exageros à parte, representa muito bem a juventude perdida dos tempos atuais. Com graves distúrbios morais e uma falta de limites absurda, muitos dos adolescentes hoje em dia não pensam nas consequências de seus atos e vivem muito mais por seu prazer imediato.

O ambiente escolar é conhecido e bem característico dos Estados Unidos. Os grupos de bonitões e nerds são bem definidos e seus personagens seguem bem os padrões esperados. Rickie e J. T. são dois amigos inseparáveis, estão sempre meio deslocados da turma e conseguem manter um certo equilíbrio com suas diferenças de personalidade.

Tecnicamente, o filme é correto. Tem uma boa direção de arte, uma trilha sonora condizente e uma fotografia discreta, o que tem muitos méritos quando o gênero do longa é levado em conta. Os atores estão confortáveis em cena, com destaque para Shiloh Fernandez, que dá vida ao quieto Rickie.

O terror, quase pano de fundo, é eficiente e causa os sustos desejados. O roteiro é ótimo e funciona bem. Todas as situações vividas com a garota do título são muito bem trabalhadas e causam um misto de nojo e desesperança em quem acompanha a história.

Apesar de todo o pessimismo, o filme merece ser visto. Por toda a sua originalidade e, principalmente, pela mensagem que sai da tela para atingir em um só golpe o estômago dos espectadores.

O filme esteve presente na programação do SP Terror e de vários festivais de cinema fantástico pelo mundo. A estréia comercial acontece no próximo dia 24 de julho, nos Estados Unidos.

Um Grande Momento
Tentando acabar com o absurdo.

Links

Terror
Direção: Marcel Sarmiento, Gadi Harel
Elenco: Shiloh Fernandez, Noah Segan, Michael Bowen, Candice Accola, Andrew DiPalma, Eric Podnar, Nolan Gerard Funk, Jenny Spain
Roteiro: Trent Haaga
Duração: 101 min.
Minha nota: 8/10