São Paulo – A Cinemateca Brasileira, em parceria com a Embaixada da França, o Institut Français e a Semaine de la Critique, festeja os 50 anos da Semana da Crítica do Festival de Cannes apresentando ao público uma seleção dos filmes franceses e brasileiros exibidos ao longo dessas cinco décadas de existência.

Programa paralelo do Festival de Cannes, a Semana da Crítica (Semaine de la critique) começou a ser idealizada em 1961 quando Cannes exibiu, em sua 14ª edição, o filme The Connection, dirigido pela cineasta norte-americana Shirley Clarke – obra autoral feita por uma jovem realizadora que, com sua estética agressiva, desafiava os parâmetros de curadoria que até aquele momento regiam o festival. O sucesso da projeção levou Robert Favre le Bret, então diretor artístico do evento, a repetir e ampliar a experiência da exibição do longa de Shirley Clarke.

A partir de 1962, com o suporte da Association Française de la Critique, o Festival de Cannes abriria espaço para a projeção dos primeiros filmes de jovens realizadores de todos os cantos do mundo, podendo desta forma revelar novos talentos e tendências pouco contempladas do cinema mundial. Batizada pela historiadora Nelly Kaplan, a Semana da Crítica se transformou numa vitrine importante para o novo cinema produzido em inúmeros países. Dentre os diretores que passaram por ela encontram-se nomes como Bernardo Bertolucci, Jean Eustache, Otar Iosseliani, Jacques Audiard, Alejandro Gonzalez Iñarritu, Paulo César Saraceni, Carlos Diegues, entre outros.

A homenagem inclui as primeiras obras de realizadores brasileiros e franceses, dentre longas e curtas-metragens.

Boy Meets Girl, filme de estreia de Leos Carax, narra a história de um jovem aspirante a cineasta que não consegue colocar seus projetos artísticos em prática, embrenhando-se como um voyeur pelos becos da capital parisiense. O filme recebeu o Prêmio da Juventude no Festival de Cannes de 1984.

Dirigido por Jacques Audiard, autor de O Profeta, recentemente lançado nas salas brasileiras, Quando os Homens Caem já revela o gosto do realizador pela atmosfera do film noir, gênero de ficção policial com grande tradição na França e nos Estados Unidos. O longa conta com a participação de Jean-Louis Trintignant, ator que trabalhou com Roger Vadim, Costa-Gavras, Bernardo Bertolucci e Eric Rohmer.

Prêmio Fipresci no Festival de Cannes 2001, O Pornógrafo, de Bertrand Bonello, traz Jean-Pierre Léaud, célebre intérprete da personagem de Antoine Doinel, criada por François Truffaut, no papel de um veterano diretor de filmes pornográficos que procura seu lugar no mundo.

A programação de filmes franceses reúne ainda Desde que Otar Partiu…, de Julie Bertucelli, também premiado em Cannes, e Sitcom – Nossa Linda Família, primeiro longa de François Ozon, autor de, entre outros, Oito Mulheres e Swimming Pool, lançados no circuito comercial brasileiro.

A seção dedicada ao cinema brasileiro apresenta, por sua vez, os primeiros longas de Paulo César Saraceni, André Klotzel, Carlos Diegues, André Faria, Jorge Bodanzky e Orlando Senna.

Premiado em Cannes, O Desafio, de Paulo César Saraceni, é um dos marcos do Cinema Novo. Realizado em 1964, trata-se de uma reflexão amarga sobre um dos episódios mais negros da história contemporânea do país. O filme é uma das principais expressões do impasse ideológico vivido pelos intelectuais depois da ascensão dos militares ao poder em 1964.

Outro marco do movimento cinemanovista, Porto das Caixas, também de Saraceni, narra a história de uma mulher que tenta se livrar do jugo imposto pelo marido. O destaque vai para a interpretação de Irma Álvares no papel da inconformada protagonista e para a fotografia de Mario Carneiro.

Ganga Zumba, primeiro longa-metragem de Carlos Diegues, inspira-se num capítulo da história das revoltas escravistas no país. O filme será exibido em cópia restaurada na França pelo CNC – Centre National du Cinéma.

Proibido pela censura durante mais de cinco anos, Iracema – uma Transa Amazônica, de Jorge Bodanzky e Orlando Senna, é outro clássico do cinema político brasileiro. Com atuações magistrais da novata Edna de Cássia e de Paulo César Pereio, o filme reúne ficção e documentário para tratar da tragédia social na Amazônia. Prêmio Jeune Cinéma no Festival de Cannes de 1976, Iracema foi liberado pelas autoridades brasileiras apenas em 1981, ano em que levou os principais prêmios do Festival de Brasília.

Uma das mais divertidas comédias do cinema brasileiro moderno, A Marvada Carne é a estreia bem-sucedida de André Klotzel. Adaptação de uma peça teatral de Alfredo Soffredini, o filme homenageia o universo da cultura caipira, vista aqui num embate com a cultura da cidade. Com a jovem Fernanda Torres no elenco, A Marvada Carne recebeu os principais prêmios do Festival de Gramado de 1985.

A programação de longas-metragens brasileiros fecha-se com o raramente exibido Prata Palomares, de André Faria. Igualmente censurado pelo governo militar por tratar de um assunto tabu para a época, a guerrilha, o filme conta com cenografia e figurinos da arquiteta modernista Lina Bo Bardi, projetista do MASP, e roteiro do encenador e dramaturgo José Celso Martinez Correa, criador do Teatro Oficina.

Para terminar, uma seção dedicada a jovens realizadores brasileiros apresenta os curtas Saliva, de Esmir Filho; Areia, de Caetano Gotardo; A Distração de Ivan, de Cavi Borges e Gustavo Melo, e Um Ramo, de Juliana Rojas e Marco Dutra. Todos eles foram exibidos na Semana da Crítica de Cannes e receberam prêmios em festivais brasileiros e internacionais.

SERVIÇO
50 Anos da Semana da Crítica de Cannes
Cinemateca Brasileira
Largo Senador Raul Cardoso, 207 (próxima ao Metrô Vila Mariana)
São Paulo – SP
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)
Ingressos: R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada)
Estudantes do Ensino Fundamental e Médio de escolas públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação da carteirinha.

PROGRAMAÇÃO

03/12 – Sábado

Sala Cinemateca BNDES
16h30 AREIA | PORTO DAS CAIXAS
20h30 O PORNÓGRAFO

04/12 – Domingo

Sala Cinemateca BNDES
16h30 A DISTRAÇÃO DE IVAN | A MARVADA CARNE
20h30 DESDE QUE OTAR PARTIU…

06/12 – Terça-feira

Sala Cinemateca BNDES
19h00 UM RAMO | IRACEMA – UMA TRANSA AMAZÔNICA
21h00 PRATA PALOMARES

07/12 – Quarta-feira

Sala Cinemateca Petrobrás
18h30 AREIA | PORTO DAS CAIXAS
20h30 GANGA ZUMBA

08/12 – Quinta-feira

Sala Cinemateca Petrobrás
19h00 O PORNÓGRAFO
21h00 SALIVA | SITCOM – NOSSA LINDA FAMÍLIA

09/12 – Sexta-feira

Sala Cinemateca Petrobrás
19h00 DESDE QUE OTAR PARTIU…
21h00 O DESAFIO

10/12 – Sábado

Sala Cinemateca BNDES
16h00 A DISTRAÇÃO DE IVAN | A MARVADA CARNE
19h00 UM RAMO | IRACEMA – UMA TRANSA AMAZÔNICA
21h00 BOY MEETS GIRL

11/12 – Domingo

Sala Cinemateca BNDES
14h00 GANGA ZUMBA
16h30 SALIVA | SITCOM – NOSSA LINDA FAMÍLIA
18h30 QUANDO OS HOMENS CAEM