Acontece hoje (22) o encerramento do 26º Cine Ceará. Realizado na capital do estado, Fortaleza, com mostras competitivas de curtas cearenses e brasileiros, e de longas-metragens iberoamericanos, o festival trouxe um recorte cinematográfico muito variado para o Cinema do Dragão e o Cine Teatro São Luiz.

Na segunda-feira (20), o tom de protesto destacou-se na programação de curtas-metragens. Enquanto Uma Família Ilustre (RJ), de Beth Formaggini, traz Cláudio Guerra, ex-delegado responsável pela ocultação dos cadáveres da ditadura militar, como personagem principal; Noite Escura de São Nunca (RJ), de Samuel Lobo, encontra em uma vila de subúrbio do Rio de Janeiro o espaço ideal para sua metáfora sobre a violência do Estado.

Casa-blanca_internoDois longas-metragens encerraram a noite. A coprodução cubano-polonesa Casa Blanca, de Aleksandra Maciuszek, abriu o noite de ontem com a história de uma senhora idosa e seu filho portador de síndrome de Down. Trazendo todo o já conhecido rigor estético da escola cubana de documentários, o filme é impressionante pela escolha dos personagens, mas é polêmico em diversos pontos, como, por exemplo, a consciência de exposição daquelas pessoas retratadas.

Para encerrar a segunda-feira, o diretor cearense Petrus Cariry apresentou pela primeira vez em Fortaleza o longa-metragem Clarisse ou Alguma Coisa Entre Nós Dois. O longa, que já havia passado pelo Festival do Rio e pela Mostra de Tiradentes, é impressionante em sua concepção e tem bons toques do cinema de horror. A história contada é a de uma mulher que precisa superar o seu passado, mas o que está por trás de tudo é uma ruptura com o machismo e o patriarcado.

Último dia

O início das exibições na terça-feira (21) contou com quatro curtas-metragens em sequência. De alguma maneira, todos os três primeiros, A Festa e os Cães (CE), Carruagem Rajante (RJ), Da Janela para a Consolação (SP), falam de momentos de mudança, pontos de transição e recomeço. Solon (CE), que também não foge ao tema, vai um pouco mais além e, um visual impressionante, reconstrói um ambiente ao acompanhar o nascimento de uma espécie de deusa, com um visual impressionante

Clever_interno

Na segunda parte da noite, o Cine Teatro São Luiz recebeu o filme mais divertido da competição, o uruguaio Clever, de Federico Borgia e Guillermo Madeiro, uma comédia fabular com ambientação fantástica. Em uma mescla de personagens curiosíssimos, o filme conta a história de um homem que, depois da separação, parte em uma jornada para encontrar o homem que pinta chamas perfeitas na tunisação de carros.

Premiação

Com a premiação que acontece hoje às 20h, encerra-se a 26ª edição do Cine Ceará, que contou com 101 exibições, com sessões no belo Cine Teatro São Luiz, no Cinema do Dragão e na Praça do Ferreira.