Depois de doze loucos dias, correndo de uma sala de cinema para a outra e vendo uma média de três filmes por dia, chegou ao fim hoje a décima edição do Festival Internacional de Cinema de Brasília.

Na festa de encerramento, capitaneada por Orã Figueiredo e Renata Caldas, foram revelados os ganhadores dos prêmios.

III Prêmio Itamaraty

Melhor Curta

O Despejo ou… Memórias de Gabiru, de Sergio Glenes

Melhor Longa

Juventude, de Domingos de Oliveira

Menção Honrosa

Cinderela, Lobos e o Príncipe Encantado, de Joel Zito Araújo

Conjunto da Obra

Nelson Pereira dos Santos

Prêmio Buriti

Melhor Filme

Sleep Dealer, de Alex Rivera

Prêmio Especial

Mataram a Irmã Doroty, de Daniel Junge

Melhor Direção

Vicente Amorim, por Um Homem Bom

Menção Honrosa

Selton Mello, por Feliz Natal

O momento mais emocionante da noite ficou por conta da premiação, mais do que merecida, ao diretor Nelson Pereira dos Santos. O embaixador Arnaldo Carrilho foi o responsável pela entrega do prêmio e contou ao público sobre sua grande amizade com o cineasta paulista que, além de ser seu padrinho de casamento, foi o responsável por sua forte ligação com o cinema, após o episódio de censura do filme Rio 40 Graus.

Nelson, que completou 80 anos no mês passado, agradeceu pelo prêmio e pelas palavras do amigo e lembrou que nunca recebeu tantos presentes de aniversário como agora.

Segundo ele, o melhor deles foi a recuperação, pelo Ministério de Relações Exteriores, dos negativos do filme Rio 40 Graus, que já não existiam no Brasil. Uma cópia estava arquivada em Praga e agora encontra-se novamente em solo brasileiro. O cineasta diz que foi tão bom que agora ele está com vontade de viver mais 80 anos para ganhar outro presente assim.

Entre muitos atores e cineastas estava presente o simpático ator estadunidense Bill Pullman, que subiu no palco e falou em um estranho português que era uma honra ter sido convidado para o festival. Depois ele mesmo brincou com o seu jeito de falar.

Após a cerimônia de encerramento foi exibido o filme Sob Controle, de Jennifer Lynch.

Agora fica aquele vazio no peito e a saudade de tantos filmes bons e de toda a equipe de produção/imprensa, sempre solícita. A sorte é que a abstinência não dura muito, pois no dia 18 de novembro começa a correria de novo com o Festival de Brasília.

As resenhas dos filmes Síndrome de Pinocchio, Monsieur Morimoto, Ninho Vazio e Sob Controle serão publicadas nos próximos dias.