(The Witch, CAN/EUA, 2015)

Terror
Direção: Robert Eggers
Elenco: Anya Taylor-Joy, Ralph Ineson, Kate Dickie, Harvey Scrimshaw
Roteiro: Robert Eggers
Duração: 90 min.
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆

Uma família acaba de ser expulsa de uma comunidade por questões religiosas e se muda para um pequeno pedaço de terra ao lado de uma floresta. Extremamente cristãos, os pais e seus cinco filhos tentam sobreviver em uma terra infértil.

Esta é a história por trás de A Bruxa. Robert Eggers (Spirit Cabinet) opta, desde as primeiras cenas, pelo adensamento da atmosfera, o que funciona muito bem na construção do suspense, fundamental para o desenvolvimento de sua trama de terror fantástico. Misturando temas como fé, ocultismo, adolescência e feminino, constrói não só interessantes personagens, como dá sentido na relação entre eles, contaminada e cega pelo fanatismo.

Quem conduz o espectador na jornada é a jovem e diferente Thomasin. Primeira filha do casal de camponeses, ela precisa conviver com a vontade de não viver naquele lugar, a saudade da Inglaterra e a ruptura com o laço familiar após um acidente na floresta. A jovem Anya Taylor-Joy consegue dar consistência à personagem, alternando silêncios e discursos, olhares e atitudes mais duras, e tomando para si a responsabilidade de, dentro do universo criado, destoar do estabelecido.

Ralph Ineson (Kingsman: Serviço Secreto) e Kate Dickie (Prometheus) vivem os pais, os únicos adultos com quem temos contato na maior parte do filme, e estão muito bem em seus papéis, assim como Harvey Scrimshaw na pele de Caleb, o irmão pré-adolescente.

A boa ambientação é garantida por Craig Lathrop (Lobos) no desenho de produção, Mary Kirkland (Longe Dela) na cenografia e Linda Muir (Quando a Noite Cai) nos figurinos, em um trabalho minucioso com as cores terrenas, com destaque para o marrom e o verde, e com apostas no sépia em cenas de interior. A recriação de época também não desaponta. Além disso, Jarin Blaschke (I Believe in Unicorns) apresenta uma direção de fotografia consistente.

Com muitas coisas no lugar e um bom texto, o filme consegue segurar o ritmo durante quase toda a projeção, provocando o espectador com a ausência de imagens, passagens inexplicadas e uma apreensão interessante para o gênero.

Porém, a vontade de sempre esclarecer mais do que precisa ser esclarecido, aquela armadilha de achar que o mostrar e concluir são importantes para o espectador acaba pegando Eggers no final, que seria sensacional se ele terminasse o filme alguns minutos antes e deixasse o suspense ir para casa com quem assistiu ao filme.

Ainda assim, é um filme interessante por conseguir despertar as sensações que se empenhou em criar e pelo vigor jovem com que o faz. Ainda que se complique no final, vale a pena conhecer.

Um Grande Momento:
O sumiço de Samuel.

A-Bruxa_poster

Links

No IMDb