Começa, no próximo dia 27 de agosto, no Rio de Janeiro, a oitava edição do Festival Internacional de Cinema Infantil – FICI. Este ano serão mais de 90 filmes para as salas de cinema da Rede Cinemark em 9 cidades brasileiras, reunindo inéditos e clássicos, curtas-metragens brasileiros e internacionais, séries de TV e mostras especiais, além de oficinas de cinema de animação e debates.

Depois da estréia, no Rio de Janeiro e Niterói (de 27 de agosto e 05 de setembro), o festival segue para Brasília (03 e 12 de setembro), São Paulo (10 a 19 de setembro), Belo Horizonte (17 a 26 de setembro), Recife (08 a 17 de outubro), Aracaju e Salvador (22 a 31 de outubro).

Paralelamente, o FICI promove pelo segundo ano consecutivo o fórum Pensar a Infância, onde realizadores, espectadores e incentivadores terão a oportunidade de discutir o cinema para crianças e jovens, abrindo espaço para idéias e reflexões sobre o mercado cinematográfico brasileiro e internacional.

A progamação do festival tem títulos para todos os gostos. O Programa Internacional traz títulos inéditos de diversos países em versão dublada e faz um pequeno panorama do cinema direcionado as crianças. Os destaques são o longa holandês “Iep!”, vencedor do Festival de Cinema Infantil de Montreal e a animação francesa “O Segredo de Eleonor”, dirigida por Dominique Monféry, que recebeu menção honrosa no Annecy International Animated Film Festival. “Perdidos na Galáxia”, um longa-metragem sem diálogos, mostra para pequenos espectadores a força da narrativa do cinema húngaro.

Na Pré-estreia Brasil, o festival exibe “Eu e Meu Guarda-Chuva”, filme de Toni Vanzolini e baseado no livro infantil homônimo de Branco Mello e Hugo Possolo. O roteiro foi adaptado por Adriana Falcão, Marcelo Gonçalves e Bernardo Guilherme. Outra pré-estreia brasileira é “Antes que o Mundo Acabe”, filme de Ana Luiza Azevedo produzido pela casa de cinema de Porto Alegre que arrematou seis prêmios no Festival de Paulínia e o prêmio Itamaraty de Melhor Longa de Ficção da 33ª Mostra de Cinema de São Paulo.

Grande sucesso do FICI, a sessão Dublagem ao Vivo recebe nesta edição oito filmes inéditos, proporcionando a chance de conhecer o trabalho dos dubladores. Na programação estão filmes de diversos países, como o espanhol “O Lince Perdido”, de Raul Garcia, mais conhecido por seu trabalho como animador em “Aladdin”, “O Rei Leão” e “Tarzan”; o argentino “Plumíferos”, com supervisão artística de Juan José Campanella; o japonês “Yona Pinguim”; o norueguês “Orps – O Filme”; o alemão “Amigos Para Sempre”, o filme dinamarquês “Meu Amigo Storm”; o holandês “O Índio” e a divertida comédia co-produzida entre França e Luxemburgo “Vamos, Contem!”, que fez parte da seleção oficial do no Annecy International Animated Film Festival.

Dentro do festival acontece o Prêmio Brasil de Cinema Infantil que exibe curtas-metragens direcionados ao público infantil em mostras competitivas e não-competitivas. Com objetivo de estimular a produção de filmes, em parceria com o Grupo Labocine/Cinema, o FICI premiará os melhores curtas de ficção e animação. Cada um deles receberá o troféu do Prêmio Brasil de Cinema Infantil e R$ 5.000 em serviços de laboratório.

A pluralidade cultural continua através de Viva a Língua Portuguesa! – uma série de curtas-metragens produzidos em Portugal, no programa Contos Poloneses, que conta os principais contos de fadas poloneses e Histórias Preciosas, série de contos animados que exploram informações e descrições sobre diversas regiões da Rússia. Estas histórias foram produzidas pelo primeiro estúdio de animação privado da Rússia e estão na sessão Se você ainda não viu, que também conta com “Barry e a Banda das Minhocas” e “A Turma da Mônica – Uma Aventura no Tempo”.

Para aqueles que acharam que não poderiam mais assistir a ótimos filmes em versão 3D, o FICI traz uma seleção especial com o vencedor do Oscar de melhor animação deste ano “Up! – Altas Aventuras”, “Viagem ao Centro da Terra – O Filme”, e “Toy Story 3”, que encerra a consagrada franquia da Pixar. A Sessão Pré-estreia 3D traz junto ao curta-metragem “Bugigangue, Controle Remoto”, o longa “Batalha por T.E.R.A.”

Na Sessão clássicos o FICI dá a chance aos mais jovens de conhecer filmes mais antigos. Nela estão “Kiriku e a Feiticeira” (1998) e o longa brasileiro “Super Colosso – A Gincana da TV Colosso” (1995).

Outra pré-estréia especial será do filme “O Segredo de Kells”, dirigido por Tomm Moore e exibido na programação do FICI no ano passado. Depois de levar oito prêmios internacionais, o filme foi indicado ao Oscar na categoria “Melhor longa-metragem de animação” deste ano.

O programa Novos Jovens desconstrói em filmes os conflitos naturais da pré-adolescência. Estes filmes mostram que independente do local onde vivem, as crianças têm novas motivações e muitas delas em comum. Filmes como “Karla e Jonas” (sequência de “Karla e Katrine”, exibido na última edição do FICI), “Antes que o Mundo Acabe” e “As Pequenas Selvagens” retratam esta fase. As sessões são fechadas e receberão turmas escolares com a mesma faixa etária dos protagonistas, acompanhadas pela pedagoga do FICI, Lilia Levy. Para participar, basta entrar em contato pelo e-mail [email protected].

O projeto A tela na sala de aula traz esse ano a parceria com o Centre National du Cinéma Et De L’Image Animée, centro que implementou, em 1989 na França, três dispositivos para proporcionar aos alunos, desde o maternal até o vestibular, uma verdadeira educação artística na área do cinema e do audiovisual. O FICI exibe cinco filmes deste projeto para alunos de escolas públicas e particulares e disponibiliza extenso material pedagógico para os professores para futuras atividades.

Por fim, os pequenos poderão se divertir e aprender em nossas oficinas de cinema de animação onde conhecerão e usufruirão, antes ou após as sessões, das técnicas utilizadas em filmes de animação. As atividades poderão ser vistas posteriormente em nossa página no Youtube.

Mais informações e programação do festival no site www.fici.com.br