Em uma edição marcada pela renovação e pela programação robusta, com espaço para filmes das mais diferentes temáticas e linguagens, e com a participação ativa do público em manifestações políticas e eventos paralelos, o 49° Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, chegou ao final.

Os vencedores desta edição foram anunciados hoje (27). Em uma seleção de altíssimo nível, a grande descoberta do ano foi o curta-metragem Estado Itinerante, que veio de Minas Gerais, dirigido por Ana Carolina Moraes e contando com a potente atuação de Lira Ribas. O filme levou para casa o prêmio de melhor atriz, além do prêmio especial do júri, menção honrosa do júri da crítica e o prêmio aquisição do Canal Brasil.

Outro filme dirigido por uma mulher mineira se destacou entre os premiados. O longa-metragem A Cidade Onde Envelheço, dirigido por Marília Rocha, levou para casa os candangos de melhor filme, melhor direção, melhor atriz (dividido entre as duas protagonistas do filme, Francisca Manuel e Elisabete Francisca) e melhor ator coadjuvante (Wederson Neguinho).

Entre as produções brasilienses, dois títulos levaram vários prêmios da noite: o curta Rosinha; o longa de ficção Repartição do Tempo.

Confira a lista completa de premiados:

Melhor Filme de longa-metragem
A cidade onde envelheço, de Marília Rocha

Melhor Direção
Marília Rocha, por A cidade onde envelheço

Melhor Ator
Rômulo Braga, por Elon não acredita na morte

Melhor Atriz
Elisabete Francisca e Francisca Manuel, por A cidade onde envelheço

Melhor Ator Coadjuvante
Wederson Neguinho, por A cidade onde envelheço

Melhor Atriz Coadjuvante
Samya de Lavor, por O último trago

Melhor Roteiro
Davi Pretto e Richard Tavares, por Rifle

Melhor Fotografia
Ivo Lopes, por O último trago

Melhor Direção de Arte
Renata Pinheiro, por Deserto

Melhor Trilha Sonora
Pedro Cintra, por Vinte Anos

Melhor Som
Marcos Lopes e Tiago Bello, por Rifle

Melhor Montagem
Clarissa Campolina, por O último trago

Prêmio Especial do Júri Oficial
Martírio, de Vincent Carelli em colaboração com Ernesto de Carvalho e Tita

Júri Popular
Martírio, de Vincent Carelli em colaboração com Ernesto de Carvalho e Tita

FILME DE CURTA OU MÉDIA-METRAGEM

Melhor Filme de curta ou média metragem
Quando os dias eram eternos, de Marcus Vinicius Vasconcelos

Melhor Direção
Fellipe Fernandes, por O delírio é a redenção dos aflitos

Melhor Ator
Renato Novais Oliveira, por Constelações

Melhor Atriz
Lira Ribas, por Estado Itinerante

Melhor Roteiro
Fellipe Fernandes, por O delírio é a redenção dos aflitos

Melhor Fotografia
Ivo Lopes Araújo, por Solon

Melhor Direção de Arte
Thales Junqueira, por O delírio é a redenção dos aflitos

Melhor Trilha Sonora
Dudu Tsuda, por Quando os dias eram eternos

Melhor Som
Bernardo Uzeda, por Confidente

Melhor Montagem
Allan Ribeiro e Thiago Ricarte, por Demônia – Melodrama em 3 atos

Prêmio Especial do Júri
Estado Itinerante, de Ana Carolina Soares

Júri popular
Procura-se Irenice, de Marco Escrivão e Thiago Mendonça

TROFÉU C MARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL – JÚRI OFICIAL

Melhor Filme de longa-metragem
Catadores de história, de Tânia Quaresma

Melhor Filme de curta-metragem
Rosinha, de Gui Campos

Melhor Direção
Vladimir Carvalho, por Cícero Dias, o compadre de Picasso

Melhor Ator
Edu Moraes, de A repartição do tempo

Melhor Atriz
Maria Alice Vergueiro, de Rosinha

Melhor Roteiro
Vladimir Carvalho, por Cícero Dias: o compadre de Picasso

Melhor Fotografia
Waldir de Pina, de Catadores de história

Melhor Montagem
Marcius Barbieri, Rafael Lobo e Santiago Dellape, por A repartição do tempo

Melhor Direção de Arte
Andrey Hermuche, de A repartição do tempo

Melhor Edição de Som
Micael Guimarães, de Cora Coralina – todas as vidas

Melhor Trilha Sonora
Dimir Viana, André Luiz Oliveira, Renato Matos, Claudio Vinícius e GOG, por Catadores de história

Júri Popular – longa-metragem
Cora Coralina – todas as vidas, de Renato Barbieri

Júri Popular – curta-metragem
Das raízes às pontas, da diretora Flora Egécia

OUTROS PRÊMIOS

PRÊMIO ABCV – ASSOCIAÇÃO BRASILIENSE DE CINEMA E VÍDEO
Mallu Moraes (atriz)

PRÊMIO CANAL BRASIL
Estado itinerante, de Ana Carolina Soares

PRÊMIO ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema)

Melhor Filme de longa-metragem
Rifle, de Davi Pretto

Melhor Filme de curta-metragem
Estado Itinerante, de Ana Carolina Soares.

PRÊMIO SARUÊ
Gui Campos, pelo curta Rosinha

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES
Martírio, de Vincent Carelli em colaboração com Ernesto de Carvalho e Tita

PRÊMIO CONTERRÂNEOS
Melhor Documentário do Festival
Vinte Anos, de Alice Andrade