Como todo domingo é dia de top 10 aqui no Cenas de Cinema. A hora de escolher o tema do dia é uma diversão a parte. Sugestões não param de chegar e, além de ser ótimo escolher os personagens e filmes de cada tópico, é ótimo lembrar de filmes que a gente já viu a muito tempo.

Sem falar que a família inteira quer participar. Vocês leitores também podem sugerir os temas e as listas que gostariam de ver por aqui. Basta mandar um email para [email protected]. Quem sabe não é você que decide qual vai ser o tema do próximo domingo.

A lista de hoje, transformações, foi uma dica do Rodrigo Strieder e vai falar daquelas mudanças tão radicais que a gente mal reconhece quem são os atores por trás do personagem. Os méritos são às vezes da maquiagem, às vezes da computação gráfica ou mesmo das duas juntas e, claro, o ator é fundamental para criar aquela nova figura que não conhecemos.


Tom Marvolo Riddle ou Lord Voldemort ou Aquele que não pode ser nomeado, por Ralph Fiennes

Uma mistura entre cobra, gente e fantasma, o vilão supremo do mundo encantado de Harry Potter não tem nariz e muito menos cor. Seus gestos frios e duros também não tem nada a ver com aquele que um dia deu vida ao confuso Justin Quayle (O Jardineiro Fiel) e o culpado Michael Berg (O Leitor).

Outras personagens de Harry Potter também são bem diferentes dos seus atores. Entre as mais mais estão o Olho-Tonto Moody (Brendan Gleeson), a professora Trelawney (Emma Thompson), Rubeus Hagrid (Robbie Coltrane) etc.

Hellboy, por Ron Perlman

Um gigante fortão vermelho, vindo diretamente do inferno e com chifres de bode serrados não é nem um pouco fácil de ver por aí. Depois de aparecer nas histórias em quadrinhos, Hellboy ganhou corpo e voz em um filme só seu e, por incrível que pareça, foi Ron Perlman, mais conhecidos por papéis em filmes de ação de segunda linha (Blade II, Fuga de Absolon, Alien – A Ressurreição), que conseguiu deixar tudo no lugar.

Por falar em Hellboy, citar o homem-peixe Abe Sapiens é quase uma obrigação. Mas o mais engraçado é que quem dá vida ao ser inteligente é Doug Jones, um ator quase especialista em não mostrar a cara. Para se ter uma idéia, só no segundo filme da franquia, ele foi The Chamberlain e o Anjo da Morte. Sem falar nas participações como o Fauno (O Labirinto do Fauno), Surfista Prateado (Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado) e muitos outros.

Benjamin Button, por Brad Pitt

Que os caras mais lindos do cinema vão envelhecer todo mundo já sabe desde os idos de Paul Newman e Marlon Brando, o que ninguém espera é que um dos top 10 dos últimos tempos, no caso Brad Pitt, de um dia para o outro vire um velho caquético, como acontece em O Curioso Caso de Benjamin Button.

O envelhecimento é uma outra arma que faz as personagens ficar muito diferentes de seus intérpretes. O Chaplin de Robert Downey Jr. (Chaplin) e a bruxa Lamia de Michelle Pfeiffer (Stardust) que o digam.

Les Grossman, por Tom Cruise

E não é só o rosto que faz a diferença. Além de bochechas maiores e óculos, Tom Cruise quase sumiu com a careca, o enchimento de bumbum, a barriga saliente e pelos a la Tony Ramos. Quem apareceu em Trovão Tropical foi o produtor maníaco Les Grossman e, aqui entre nós, foi uma das melhores criações do galã até hoje.

No mesmo filme, Robert Downey Jr. também mudou um bocado ao encarnar o ator australiano Kirk Lazarus em mais de um papel e surpreender totalmente como o sargento negro no filme dentro do filme.

Kevin e Marcus Copeland ou as falsas Brittany e Tiffany Wilson, por Shawn e Marlon Wayans

Gente especializada em disfarces já são clichê no cinema e acabam gerando milhares de personagem diferentes. Entre estes estão irmãos policiais Copeland que depois da falha em uma ação são obrigados a cuidar de duas patricinhas e terminam por substituí-las. Apesar da história boba e batida, a maquiagem e os irmãos Wayans merecem a lembrança.

Maquiagens parecidas com as usadas pelos policiais no filme As Branquelas foram fundamentais para criação de muitos personagens do comediante Eddie Murphy, como uns três em Norbit e mais uns nove em O Professor Aloprado 2.

Kurt Wagner ou Noturno, por Alan Cumming

O mundo dos quadrinhos é uma fonte rica de personagens totalmente diferentes das pessoas que a gente encontra por aí. Com o número cada vez maior de produções baseadas no gênero, fica fácil achar mais um representante para a lista.

Kurt Wagner é um dos mutantes amigos do professor Xavier. Conhecido como Noturno ele é todo azul com muitas marcas no corpo, um rabo, pata, orelhas pontudas e olhos muito estranhos. Seu intérprete, Alan Cumming, dá conta de toda a sua complexidade interior no filme X-Men 2.

Neste e em outros títulos da franquia também podem ser encontrados outros atores bem diferentes sua versão “humana”.

Grinch, por Jim Carrey

Outra adaptação boa para “criação” de gente estranha é a de qualquer obra do Dr. Seuss, mas nenhuma delas ficou tão interessante como a do verdão que odiava o natal depois de ser escurraçado da cidade, Quemlândia, nas vésperas da festa. Jim Carrey, muito além da maquiagem, é o responsável pelo histérico ser de O Grinch.

Aliás, se existe uma pessoa boa para criar personagens estranhos este é o sr. Carrey. Além das fantasias de Dick Harper (As Loucuras de Dick & Jane), ainda tem no currículo o Conde Olaf e seus disfarces (Desventuras em Série) e a versão verde de Stanley Ipkiss (O Máscara).

Rosemary Shanahan, por Gwyneth Paltrow

Outra forma de mudar, e muito, uma pessoa é fazer com que ela ganhe muitos quilos a mais. Em O Amor É Cego, a magrela Gwyneth Paltrow está tão fora de forma, com tanto corpo sobrando que fica difícil saber que é ela quem está atrás daquilo tudo.

Outro que também mudou bastante com a falta de exercícios e o consumo excessivo de bolinhos de chocolate foi o Michael Newman (Click).

Obs.: Como é praticamente impossível encontrar qualquer foto da moça no tamanho gigante em que aparentava em cena, vamos ficar com uma da calcinha da moça em uma cena com Jack Black.

Capitão Davy Jones, por Bill Nighy

Com uma cara de polvo, cheio de tentáculos no lugar da barba, esse é um dos exemplares que não chegaria nunca a existir se não fosse a interferência da computação gráfica no cinema, mas com certeza não seria nem a metade do malvado/desiludido capitão se não tivesse Bill Nighy por trás de toda a tecnologia.

Davy Jones, é o comandante do navio Holandês Voador e sua tripulação é tão estranha quanto ele. Entre os seres meio humanos e meio crustráceos está Bill Alça de Bota, interpretado por Stellan Skarsgård.

Beowulf, por Ray Winstone

Se o tema é modificação nas telonas, um nome que não pode ficar de fora, sem dúvida nenhuma é o protagonista de A Lenda de Beowulf. Vocês podem estar pensando “Mas como assim? Ele é um personagem de animação”. Sim é, mas, querendo ou não é Ray Winstone também. E deixou a maioria das pessoas com aquela sensação de “eu conheço esse cara de algum lugar” antes de subirem os créditos. Para mim, é a maior de todas as mudanças do cinema!

Claro que muitos outros nomes não puderam estar aqui por aquela limitação de todo top 10. Que outros nomes você incluiria na lista?